share on facebook
Ateliê de desenho livre com Paulo Von Poser

“A ideia é simples. Vocês vão andar pela exposição e registrá-la através do desenho, ok? Aí nos encontramos no Espaço Educativo do 2º andar para fecharmos a proposta”, orientou o artista Paulo Von Poser no início do Ateliê de Desenho Livre no Espaço de Criação, ação promovida pelo Educativo Bienal na mostra 30 × bienal – Transformações na arte brasileira da 1ª à 30ª edição.

Caderninhos de papel, lápis grosso do tipo 6B e giz de cera nas cores branca e preta foram distribuídos para os participantes do ateliê para que pudessem fazer a investigação da exposição através do desenho. 

A maior parte do grupo que participou do ateliê eram estudantes da Etec Profª Marinês Teodoro de Freitas Almeida, de Novo Horizonte, estado de São Paulo.  Muitos deles visitavam pela primeira vez o prédio da Fundação Bienal de São Paulo e ficaram maravilhados com a arquitetura.

“Nunca tinha visitado a Bienal e gostei muito dessa proposta do ateliê do Paulo, pois uniu arte e desenho, que é uma área da qual tenho bastante interesse”, comentou o estudante da Etec Ivan Neto.

Após ficarem livres pelo espaço expositivo para traçarem seus próprios caminhos registrando os percursos através do desenho, Von Poser reuniu o grupo no Espaço Educativo, localizado no 2º andar da mostra. Os participantes trocaram os desenhos para terem a oportunidade de observar a experiência visual do outro, e depois montaram um grande painel coletivo com desenhos livres.

“Achei muito interessante, porque foi uma experimentação de contato diferente com as obras. Como educadora, vejo que muitos grupos chegam a exposição e ficam fotografando o tempo todo com o celular, diferente desse  grupo, que vi pouquíssimas fotos, pois observavam e desenhavam sem parar”, comentou a educadora da mostra 30 × bienal Juliana Barros, que acompanhava o grupo da Etec.

Para Rafaela Micheloni, que estuda na Etec, o ateliê foi importante, pois uniu a sala de aula. “Estudamos na mesma sala, mas talvez se essa proposta do desenho coletivo fosse na escola não teria rolado da mesma forma. Aqui foi diferente. O ambiente, o artista, os trabalhos, influenciam e inspiram muito para essa prática”, explicou.

“Gostei muito do ateliê. É a primeira vez que eu desenho livre mesmo, sem ninguém ficar me falando o que eu precisava desenhar. Na escola a professora sempre dá um tema para desenharmos, e aqui como foi livre foi uma experiência nova”, contou Maria Eduarda que veio para a 30 × bienal especialmente para essa ação. 

Os ateliês com o artista Paulo Von Poser fazem parte da Programação Paralela do Educativo Bienal na mostra 30 × bienal – Transformações na arte brasileira da 1ª à 30ª edição, que acontece até o dia 8 de dezembro. Para ver a programação completa, clique aqui

Texto: Vivian Lobato
Foto: Sattva Horaci