share on facebook
Marcados

Yanomami significa "ser humano". Talvez essa definição já estivesse clara para a fotógrafa Claudia Andujar, quando viajou à Amazônia para um ensaio fotográfico na década de 1970. A pauta fotojornalística que conduziria nada tinha a ver com os índios que encontrou no local - e era melhor que não tivesse, para não tocar em "assuntos desconfortáveis" para o governo militar.

Mesmo assim Andujar ignorou as normas e voltou depois de meses com dezenas de retratos das tribos indígenas que conheceu na região. Entre elas, os Yanomami, tribos com as quais ela efetivamente moraria por 7 anos e que foram tema de sua obra por quase toda a carreira.

Até a homologação da terra indígena Yanomami pelo presidente Collor, em 1992, foram anos de lutas defendidas pela fotógrafa, participante da Comissão de Criação do Parque Yanomami (CCPY). Invasões garimpeiras chegaram a apontar para uma possível extinção das tribos, quando Andujar se propôs a olhar para os índios com cautela, representá-los e auxiliar em programas de saúde:


"Quando nos anos 1970 seu território foi invadido, a preocupação com a saúde tornou-se fundamental. Para um projeto básico de prevenção e vacinação era preciso registrar os dados coletados sobre índios em fichas cadastrais. Nessa ocasião assumi a tarefa de acompanhar alguns médicos e fotografar os índios com números de identificação. Como os Yanomami, por cultura, não têm nome, essa foi a maneira que encontramos de contornar o problema. São esses retratos que apresento ao público da Bienal" - explicou a fotógrafa, em 2006, à Helouise Costa sobre sua participação na 27ª Bienal de São Paulo.



Marcados, série que retorna ao Pavilhão Bienal na exposição 30 × Bienal, mostra índios aparentemente frágeis, mas que encaram as lentes com semblante determinado, reafirmando sua cultura e preservando sua identidade para muito além de um número cadastral. Mais do que fotografia, a obra de Andujar mistura arte e vida, propondo-se a entender os costumes e crenças de um povo que tem na natureza um espelho de si. A reflexão das condições de vida do (Yanomami) ser humano.

| imagens da série Marcados (1980-1983) em 30 × Bienal. ©Leo Eloy
| texto: Julia Bolliger Murari