share on facebook
Quantos vermelhos existem no ateliê?

Letras recortadas, redinhas, linhas, lã, canudos, contas, durex, adesivos, copinhos de plástico, móveis, papéis. Figuras projetadas, desenhos e muitos materiais vermelhos. Aliás, tudo vermelho. Vermelho claro, vermelho escuro, vermelho rosa, vermelho sangue, vermelho aguado, vermelho.

Esse é o ateliê Vermelho, que investiga a cor, adivinhem? Vermelha. As cores, em especial, o vermelho, são um assunto recorrente, entre os artistas que participam da exposição 30 × bienal - Transformações na arte brasileira da 1ª à 30ª edição, e também do material educativo dessa mostra.


“Adorei, pois nunca tinha usado materiais como o acetato e adesivos, e o que eu mais gostei é do espaço ser todo vermelho”, disse Sofia Guazelli, 11 anos, que participou do primeiro sábado de Ateliê Infinito aberto ao público da 30 × bienal.



Os ateliês acontecem durante a semana para visitas agendadas, e aos sábados, no formato Ateliê Infinito, para o público espontâneo. O objetivo é criar espaços de diálogo com linguagens, processos de criação e questões que transitam ora pela poética de artistas ora por conceitos presentes na mostra.



“Acho bom o ateliê porque tem uma interação com a exposição”, ressaltou a operadora de telemarketing Ivaneide Bastos de Carvalho, que também participou do primeiro Ateliê Infinito Vermelho.


Crianças, adolescentes, adultos, educadores, professores, pais, visitantes. São todos bem vindos aos ateliês, nos quais, os sentidos de experimentação e reflexão são mais relevantes do que os resultados plásticos conseguidos, e tornam-se plataformas de aproximação com as discussões surgidas na exposição.

 


“O que eu mais gostei foi do ateliê. É a melhor parte, cortar, colar e brincar”, ressaltou Maria Eduarda, 3 anos, que estava no Ateliê Infinito Vermelho. A mãe da garotinha, a estudante Isabel Martins, também participou do ateliê e destacou: “Eu vim para fazer uma atividade complementar da faculdade, e sempre trago a Maria Eduarda junto, pois acho importante estimular. Não sabia que tinha o ateliê e adorei, e sei que ela gosta.”


 

Os pais também se divertem e participam das ações junto com as crianças. “Achei fantástica essa ideia de ateliê, a Rafa gosta de letras, livros, coisas educativas e todo esse universo”, destacou Marcos Fábio Barbosa, pai de Rafaela Somogyi Barbosa, 2 anos, que chegaram na mostra e foram direto ao Ateliê Infinito Vermelho.

 

Outra forma interessante é finalizar a visita a exposição com o ateliê. “Terminamos a visita a 30 × bienal com o ateliê. Excelente, foi uma forma de despertar nossa imaginação”, disse o empresário Adilson Vicente da Silva, que também estava no Ateliê Infinito Vermelho. Quando perguntado quantos vermelhos ele achava que existia no ateliê, o empresário respondeu: “Uns doze tons de vermelhos, ou mais, não sei. Na verdade, quantos a sua imaginação quiser.”
 
Ateliê Infinito Vermelho
Quando: aos sábados
Dias: 26 de outubro e 2, 9 e 16 de novembro
Horários: 11h às 14h e das 15h às 18h
Entrada Gratuita

Texto: Vivian Lobato
Fotos: Sofia Colucci