share on facebook
O Educativo Bienal

O trabalho do Educativo na Fundação Bienal de São Paulo ao longo dos anos foi marcado pela força da invenção, da experimentação com uma vida intensa, extensa e entrecortada. Os educativos que se seguiram com diferentes gestões e abordagens cooperaram na formação de muitas pessoas que hoje trabalham na área de artes: historiadores, educadores, curadores, artistas, críticos de arte, arquitetos, galeristas, entre outros.

Para celebrar as trinta edições da Bienal e homenagear aqueles que colaboraram com esta história, resgatando a memória das experiências vividas na instituição, o Educativo Bienal, em parceria com o Sesc, realizou o seminário arte em tempo em junho deste ano, no Sesc Belenzinho, em São Paulo.

Revisitar o percurso do ensino da arte e o da história da arte nas Bienais trouxe outros caminhos para pensar a educação não formal, com estratégias de continuidade e ruptura. O artista e educador Paulo Portella, mediador de três mesas nesse seminário, definiu os encontros como “uma jornada para o futuro”.

Inventar e reconstruir a história, tornar vivas experiências passadas têm uma relação direta com as proposições curatoriais que a Bienal quer ativar e trouxe ao Educativo a possibilidade de revisitar diversas ações. A curadoria do Educativo, hoje, é uma curadoria ateliê, um laboratório de ideias, percepções, riscos, com intenções claras, em um caminho que se faz passo a passo: um aprendizado que se dá pelo exercício de tomar consciência da própria experiência. Com uma equipe constituída por artistas, educadores, poetas, bailarinos, fotógrafos, curadores e cineastas, o Educativo desenvolve seu trabalho laboratorial estudando, planejando e sempre de prontidão para o aqui agora. As visitas orientadas também são consideradas ateliês: espaços laboratoriais de aproximação com a arte, em uma alternância de protagonismos entre obras, públicos e educadores.

Dando continuidade às suas ações neste ano, o Educativo Bienal propôs outras possibilidades de encontros e conversas estendidas: Plantão Educativo Bienal, Bienal nas escolas, Ações nas comunidades e publicações (veja definição em nosso site: educativo.bienal.org.br)

O trabalho educativo é feito de delicadezas, de relações humanas, junto à arte e no diálogo entre pessoas. Para isso é necessário trabalhar com dispositivos que atendam à desconstrução do que está estagnado e ponham em movimento a matéria do pensamento, ativando o corpo como ferramenta para um pensar diferente.

Stela Barbieri
Curadora do Educativo Bienal