share on facebook
O Ministério da Cultura

É sempre grande a expectativa gerada pela Bienal de São Paulo. Nesta exposição 30 × Bienal – Transformações na arte brasileira da 1ª à 30ª edição, ela volta seus olhos para sua história de seis décadas.

Criada no início dos anos 1950, a Bienal testemunha o desejo brasileiro de inserção no mundo das artes internacional e São Paulo como cidade de vanguarda.

A trajetória da Bienal se confunde com os caminhos da arte brasileira e do Brasil como nação, desde a segunda metade do século 20. Seu percurso traçado ao longo destes anos constitui um documento de grande relevância para pensarmos parte da construção do imaginário brasileiro.

Seu legado educativo, cultivado desde a segunda edição e ampliado com o passar dos anos, tem valor inestimável para este momento em que temos buscado democratizar os meios de produção artística em nosso país, formar e descobrir talentos.

O governo brasileiro, por meio do ministério da Cultura, tem construído CEUs das Artes: espaços modernos, nas periferias do Brasil, totalmente voltados à formação de artistas e público para as artes. Serão 360 deles até 2014. Nosso desejo profundo é ver talentos revelados nestes espaços participando de Bienais e outras exposições pelo Brasil e pelo Mundo.

As leis de incentivo à cultura buscam levar arte para a população, através de eventos como estes e tantos outros. O Vale-Cultura incluirá milhões de trabalhadores e trabalhadoras no mercado de consumo de bens culturais. Também vai criar muita demanda para seus produtores.

Por meio de editais para criadores negros, índios, mulheres, temos promovido o acesso às ferramentas de manutenção e produção cultural a segmentos da sociedade cuja história é raiz de nossa cultura e que precisam de oportunidades para amplificar suas vozes.

Estamos investindo na melhoria de nossos museus, ampliando e cuidando de seus acervos, aumentando as possibilidades de acesso a eles. Dialogamos em âmbitos nacional e internacional para que as contribuições dos museus à sociedade, na formação de nossos estudantes, entre outras, adaptem-se aos tempos em que vivemos.

Em suma, tal qual faz a Fundação Bienal de São Paulo, nesta exposição comemorativa, valorizamos o passado na hora de cuidarmos do presente e projetarmos o futuro, cada vez mais desafiador e exigente de novas soluções.

Estou certa de que esta exposição 30 × Bienal – Transformações na arte brasileira da 1ª à 30ª edição será o marco de um novo tempo, que vai mantê-la tão importante e referencial para as artes e para a sociedade brasileiras como a Bienal é desde seu princípio.

Marta Suplicy
Ministra de Estado da Cultura